“Desalojados de Camarate”: Reportagem de Carla Castelo (2007, SIC)

A reportagem “Desalojados de Camarate”, disponível a este link, é um documento histórico (encontrado pela Ana Ferreira) sobre o despejo de algumas centenas de pessoas em Loures em 1993. Os despejados foram sucessivamente realojados ao abrigo do PER. (EDIT 31.01.2017: finalmente, além da notícia SIC, não há provas finais que essas pessoas foram realojadas ao abrigo do PER. Segundo a reportagem da Carla Castelo: “A visibilidade que o caso teve relançou a questão da habitação social na agenda política, numa época em que a periferia de Lisboa vivia pejada de barracas. Dois meses depois, o Governo do PSD lançava o PER, o Programa Especial de Realojamento” [min 10:34 a 10:54]).

A reportagem foi galardoada em 2008 com uma menção honorosa do Premio de Jornalismo 2008 da ANMP – Associação Nacional de Municipios Portugueses.

Em Janeiro de 1993, uma ordem de desocupação põe 650 pessoas na rua. A ordem do Tribunal Judicial de Loures cumpre-se sem incidentes, com uma forte presença da GNR. As pessoas retiram os seus haveres dos dois edifícios onde estavam a morar. Sem outra casa para onde irem, os então desalojados ficam ali mesmo, na rua. Vivem ao relento durante vários dias, até que são abrigados provisoriamente numa fábrica desactivada, em Sacavém, e num armazém, em São João da Talha, alugado pela Câmara de Loures (SIC notícias).

Público: “Governo admite novo programa de realojamento em 2017”

Hoje, no Público (14/12/2016): “No mesmo dia em que Portugal foi instigado pela relatora da Organização das Nações Unidas (ONU) a resolver ‘imediatamente’ o problema de quem está sem casa, o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente admitiu, em entrevista ao PÚBLICO, a possibilidade de fazer um novo Programa Especial de Realojamento (PER)”. Continue reading

exPERts in the press: Público and housing crisis in Lisbon

exPERts team member Eduardo Ascensão is featured with a short interview in the Portuguese newspaper Público in a reportage by Joana Grão Henriques. The article analyses the way the Programa Especial de Realojamento is still not completed, 23 years after its creation, and how many households are still living in informal and precarious settlements. All in all, the article offers and in-depth perspective on one of the many dimensions of Lisbon’s region current housing crisis.